16 de fevereiro de 2010

Saiba Mais Sobre: Amplificadores

A famosa "potência", de que tanto ouvimos falar em palcos, estúdios de ensaio, etc., na verdade é um tipo de amplificador. O famoso "cubo" de guitarra e baixo também é um tipo de amplificador. Fones de ouvidos utilizados em estúdio e em palco comumente são alimentados por "pré-amplificadores". Logo se percebe que o uso de amplificadores no mundo do áudio é mais comum do que se imagina. Por isso, o objetivo desta postagem é apresentar a você, leitor, os vários tipos de amplificadores e suas principais características, até mesmo para que não haja erro na escolha de um modelo.


O QUE É UM AMPLIFICADOR?

Amplificador é um equipamento que utiliza uma pequena quantidade de energia para controlar uma quantidade maior, apesar do termo atualmente se referir a amplificadores eletrônicos. A relação entre a entrada e a saída de um amplificador — geralmente expressa em função da freqüência de entrada — é denominada função de transferência do amplificador, e a magnitude da função de transferência é denominada de ganho.

TIPOS DE AMPLIFICADOR
.Amplificadores eletrônicos
O tipo de amplificador mais comum é o eletrônico, comumente usado em transmissores e receptores de rádio e televisão, equipamentos estéreo de alta fidelidade (high-fidelity ou hi-fi), microcomputadores e outros equipamentos eletrônicos digitais, e guitarras e outros instrumentos musicais elétricos. Seus componentes principais são dispositivos ativos, tais como válvulas ou transistores.
Em alta fidelidade o amplificador é um aparelho eletrônico que eleva os níveis de tensão dos sinais de áudio. É muitas vezes empregado para designar o conjunto pré-amplificador e amplificador de potência ou o amplificador integrado.
Pré-amplificador é o estágio de um amplificador de áudio que recebe o sinal da fonte sonora, tais como o gravador cassete, o receptor e o toca-discos de baixo nível e corrige-o, entregando em sua saída um sinal suficientemente elevado para excitar o amplificador de potência.
Amplificador de potência é o estágio de um amplificador de áudio ou de RF (radio frequencia) que eleva o sinal de áudio ou de RF fornecido pelo pré-amplificador ou oscilador a um nível de tensão e impedância adequados para funcionar as caixas acústicas ou antenas transmisoras.
O amplificador integrado possui o pré-amplificador e o amplificador de potência juntos no mesmo aparelho.

.Amplificadores valvulados
No início dos anos do áudio, as válvulas faziam a atividade de dispositivos ativos. Atualmente ainda são utilizadas em aparelhos High End e em amplificadores para instrumentos, em especial a guitarra elétrica. Um amplificador valvulado geralmente funciona sob altas tensões de alimentação e baixas correntes, o que torna necessário o uso de transformadores de saída para adequar as impedâncias de saída do amplificador (altas) com as baixas impedâncias dos alto falantes. Os valvulados podem ser montados em topologia Single-End, onde apenas uma válvula amplifica todo o sinal, mas com baixo rendimento (classe A) e com topologia Push-Pull onde pares de válvulas são conectadas ao transformador de saída de forma que cada válvula de cada par amplifique apenas um semi-ciclo (positivo ou negativo) do sinal de áudio. São muito usadas válvulas pentodo de potência como elementos de saída tais como KT88, KT66, 6550, EL34, EL84,6L6 e 6V6 entre outras.

.Amplificadores transistorizados
Com a invenção dos transístores, as válvulas foram pouco a pouco substituídas por estes novos amplificadores, devido às vantagens de menor consumo de energia, maior durabilidade, menor tamanho e custo menor. Os amplificadores transistorizados têm comportamento diferente dos valvulados, a distorção é diferente e não necessitam de transformadores de saída para casar as impedâncias dos alto-falantes. Hoje os amplificadores transistorizados podem ser construídos com transístores bipolares ou MOSFETs ou ainda circuitos integrados.

.Amplificadores operacionais
Amplificadores Operacionais são amplificadores diferenciais DC de alto desempenho: alto ganho, alta impedância de entrada, baixa impedância de saída e grande resposta em frequência. Foram criados para implementar computadores analógicos, executando operações matemáticas (donde derivam seu nome) com valores de tensões como operandos e resultados. Podem ser construídos com transístores ou válvulas (hoje a maioria é na forma de circuito integrado). São muito usados em instrumentação e equipamentos eletrônicos em geral.

CLASSES DE AMPLIFICADORES

As classes de amplificadores diferenciam-se quanto ao método de operação, eficiência, linearidade e capacidade de potência de saída.
Os amplificadores podem ser classificados em:

Classe A - o dispositivo eletrônico de saída (válvula ou transistor) conduz durante os 360 graus do sinal de entrada.
Classe B - o dispositivo eletrônico de saída (válvula ou transistor) conduz durante apenas 180 graus do sinal de entrada (apenas um semi-ciclo)
Classe AB - situam-se entre os amplificadores de Classe A e os de Classe B, de forma que o dispositivo eletrônico de saída (válvula ou transistor) conduz durante mais do que 180 graus do sinal de entrada, mas não na sua totalidade
Classe C - o dispositivo eletrônico de saída (válvula ou transistor) conduz durante menos do que 180 graus do sinal de entrada
Classe D - operam modulando o sinal de entrada na forma de pulsos (PWM, "pulse width modulation"), controlando o dispositivo eletrônico de saída (válvula ou transistor) através de dois níveis de tensão, os quais fazem com que o dispositivo conduza ou entre em corte
Classe F - alta eficiência (idealmente 100%) e alta potência de saída. Usado principalmente para aplicações de RF e microondas.

Os mais comuns no mundo do áudio:
.Pré-amp
É o "pré-amplificador", um amplificador de baixa potência usado para condicionar o sinal (normalmente, sinal de microfone) para um nível adequado ao mixer ou amplificador de potência. Os pré-amplificadores geralmente possuem controles de ganho, e eventualmente ajustes de tonalidade (EQ). Existem pré-amplificadores que utilizam circuitos com válvulas (ex: Behringer MIC2200), que dão uma "coloração" diferente ao som. A característica mais importante que deve ter um pré-amplificador diz respeito ao ruído: quanto maior a relação sinal/ruído, melhor.

.Amp
É o amplificador de potência, propriamente dito. Alguns amplificadores possuem um pré, que condiciona o sinal para o nível adequado. Um amplificador stereo doméstico, por exemplo, geralmente possui umpré-amplificador para discos de vinil(embora esteja em desuso).Os amplificadores podem ter também controles de tonalidade, balanço (esquerdo/direito) e outros recursos adicionais. Alguns têm saídas para 4 caixas, duplicando os canais do stereo.No caso de amplificadores de instrumentos - os "combo amplifiers" - a maioria é mono, e possui um pré para ajuste de nível e equalização (ex: Ibanez TA25). Muitos amps de guitarra são valvulados, pois os guitarristas preferem a distorção característica da válvula, que dá uma coloração agradável ao som da guitarra.

.Power amp
É um amplificador sem pré, só com o estágio de potência. Normalmente é usado em sistemas de sonorização de show (P.A. e amplificação de palco), e também em estádios. Nesses amplificadores, só há o controle de volume de cada canal, pois o sinal já vem em nível adequado ("line"). Os amplificadores para sonorização (ex: Yamaha P3500) têm que ter muita potência, e normalmente são usados em grupos. Os amplificadores de estádio (ex: Yamaha A100a), também chamados de "amplificadores de referência" (Reference Amplifiers) têm como característica principal a resposta "plana", isto é, sem colorir o som, e por isso raramente são valvulados. 
          music-center.com.br
Postar um comentário

Mais Notícias

Notícias - KVR Audio News

Notícias - Sound On Sound Audio News

Notícias - Gearjunkies Audio News

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...